ARQUITETURA E ILUMINAÇÃO AS MUDANÇAS QUE A PANDEMIA TRARÁ NA ÁREA DA SAÚDE

Em tempos como este repensamos nosso modo de viver e também tiraremos grandes lições da pandemia para o nosso modo de projetar. A arquitetura terá grandes mudanças, e talvez uma de suas maiores seja na área da saúde, afinal, o COVID-19 pegou um mundo despreparado, e nos mostrará a necessidade de darmos mais valor à ciência e a tecnologia, aos profissionais de saúde e aos ambientes hospitalares.

21 de MAIO de 2020

Ao longo da história espaços da área de saúde não foram um exemplo de hospitalidade, salubridade e conforto devido a falta de recursos e conhecimento. Diversas doenças e ‘anomalias’ foram tratadas com imprudência e descaso, mas conforme fomos evoluindo e entendendo melhor o mundo, conforme a ciência e tecnologia avançaram, tudo se tornou mais claro. Somos mais justos e entendemos que o ser humano deseja cada dia mais um tratamento humano e digno e que é indispensável que os profissionais e os ambientes da saúde o sejam. E é sobre isso que vamos falar hoje, sobre a busca pela humanização na área da saúde através da arquitetura, que será tema recorrente nos próximos tempos.

Diariamente recebendo pessoas que buscam resolver um problema ou uma dor, estes espaços abrigam pacientes que muitas vezes não gostariam de estar ali, e que em outras, sua permanência se dá obrigatoriamente em conjunto com um sentimento opressor. Uma boa arquitetura é primordial para transmitir uma amenização dessa dor e transmitir boas sensações através do espaço projetado, principalmente sensações como acolhimento e conforto. A arquitetura mais humana é uma forma de reduzir o estresse tanto para a equipe, quanto para o paciente e para o familiar, e pode ser um caminho para a cura. Afinal, o conceito de hospital fala sobre hospitalidade e à qualidade de acolher/hospedar alguém bem e com satisfação.

Este tipo de edificação costuma ter projetos de alta complexidade devido ao programa de necessidades e normas que as englobam, e é claro que estas normas e critérios técnicos são prioridade para que as funções que devem ser desempenhadas funcionem perfeitamente, mas isso não significa projetarmos espaços meramente técnicos, frios, não humanos e que desempenham apenas seu papel ‘funcional’. A responsabilidade do arquiteto vai muito além de cumprir com um programa de necessidades que funcione. É de sua responsabilidade criar espaços que tragam bem-estar às pessoas. Afinal, por mais que alguns ambientes tenham normas rígidas que não permitem uma flexibilização projetual, por outro lado, outros possuem uma liberdade maior, como por exemplo: recepções, salas de espera, salas ecumênicas, espaços ao ar livre, entre outros. Devemos trabalhar na medida do possível para que estes ambientes tenham características agradáveis: Isso significa espaços que tragam algum sentimento de pertencimento, acolhimento e até mesmo alguma semelhança com os lares.

Um bom exemplo de como essa humanização tem se desenvolvido com o tempo é a lei que foi aprovada que permite visita de animais de estimação em hospitais em alguns lugares do Brasil. Entende-se que a felicidade ajuda no processo de cura, e nada melhor que a visita de um animal de estimação pra trazer o sentimento de acolhimento e pertencimento do qual falamos.
Este exemplo e tantos outros são procedimentos que antes eram inadmissíveis ou não eram levados em consideração, e que com o tempo se tornarão indispensáveis! Essa humanização está em tudo que vemos, são mudanças extremamente positivas para o mundo! <3

Visitação animais de estimação em hospital. – pertencimento e acolhimento –

Outro exemplo foi este ano em meio a pandemia, onde a tecnologia permitiu que alguns pacientes com COVID-19 se despedissem de seus familiares antes da morte através de vídeo chamada. Quando a presença não foi possível, a despedida pôde acontecer de forma online.
Ao mesmo tempo que não podemos driblar um vírus e nem as doenças e a morte, podemos criar maneiras de viver e passar melhor por estes momentos de dor.

No livro “Notes on Hospitals” (1859), Florence Nightingale, enfermeira italiana conhecida pelo importante trabalho com feridos de guerra, escreveu:
“Pode parecer um estranho princípio enunciar como primeira e mais importante função de um hospital a de que ele não cause nenhum mal à saúde do paciente.” (NIGHTINGALE, Florence,1859).

Após esta frase, reflita sobre a sensação que você recorda ao adentrar hospitais, clínicas e outros edifícios que tratam das pessoas. É bem provável que você lembre de espaços com uma arquitetura e decoração pobres, iluminação frias (brancas e azuladas) e grandes corredores com cadeiras duras. A impressão fria e desconfortável que estes espaços – em sua grande maioria – nos passam hoje, tomará lugar. E é sobre isso que vamos falar hoje, com nosso principal foco sendo, como sempre, a iluminação.

Exemplo de imagem que temos dos hospitais. – monotonia –

AMBIENTES DE `CURA`

Alguns aspectos arquitetônicos que podem ajudar nesta humanização:

1. Novo conceito de espaço: um hospital não precisa ter cara de hospital.
2. Desinstitucionalização dos pacientes, fazendo o mesmo se sentir em casa através de ambientes com elementos que tragam semelhança com hotéis e residências: tons e texturas que tragam conforto (cuidado para não confundir limpeza com o uso excessivo da cor branca.)
Remover este senso de instituição é benéfico também aos funcionários, para diminuir o estresse e a carga diária.
3. Arquitetura biofílica e sustentabilidade: utilização de elementos da natureza – como plantas, pedras, água – para transformar espaços e trazer benefícios à saúde e ao bem-estar. O ser humano se identifica com tudo que é natural.
Além de técnicas sustentáveis, desde o uso da água até o descarte do lixo hospitalar;
4. Redução de ruídos através de técnicas: sejam rúidos externos – como trânsito -, ou barulhos internos da edificação;
5. Ventilação natural para uma renovação constante do ar;
6. Conforto térmico;
7. Acessibilidade;
8. Clareza na circulação: é importante que estes espaços não sejam confusos;

A luz possui um relacionamento intrínseco com nossos sentimentos e emoções, influenciando diretamente em nosso equilíbrio fisiológico e psicológico.
Então, Como ela pode nos ajudar a humanizar espaços da saúde?

Sem dúvida, a iluminação é um dos aspectos que tem mais influência sobre as pessoas nestes ambientes, por isso, dê uma atenção especial à ela!

1. A norma que devemos consultar para desenvolver um projeto luminotécnico adequado é a NBR8995-1 – Iluminação de ambientes de trabalho. (na galeria de imagens abaixo colocamos o item 29. Locais de Assistência Médica)
A NBR5413, utilizada anteriormente, foi cancelada.

2. Iluminação natural: luz é saúde.
Janelas e aberturas para a área externa com cortinas e/ou persianas devem ser colocadas (é importante as pessoas sentirem que tem controle sobre a luminosidade);
Nunca subestime o poder da luz natural. A luz natural e o sol são de extrema importância para a saúde, além de regularem nosso relógio biológico (clique para saber mais), que influencia uma série de reações no nosso organismo no decorrer do dia, como na digestão, sono, renovação das células, hormônios, entre outros fatores. É de extrema importância principalmente para profissionais que tem uma carga horária excessiva e também para pacientes com longos períodos de internação.

– Você já parou para pensar porque salas cirúrgicas – onde profissionais passam infinitas horas trabalhando – não podem possuir aberturas para receber a iluminação natural?
Desde que exista um sistema para barrar a entrada solar, é possível sim que hajam aberturas nestes ambientes. A luz natural sempre será a melhor para reproduzir as cores e a que nos trará o maior bem estar. É sobre isso que estamos falando, a mudança de conceito do hospital. Por quê um ambiente tão tenso não pode receber uma abertura? Se questionem sobre os padrões criados.

3.Temperaturas de cor adequada para cada ambiente.
A temperatura de cor pode nos provocar sentimentos de irritação e inquietação (tons frios), ou então de aconchego (tons quentes).
O que acontece na maior parte dos projetos que vemos por aí, é a utilização da luz fria, sendo que, devemos utilizar tons frios apenas em ambientes onde se exija este tipo de luz! Este é um dos maiores erros dos projetos luminotécnicos nestes ambientes: confundir a luz branca/fria com limpeza e maior luminosidade.
Os tons quentes e neutros devem ser mais recorrentes. Eles darão um aspecto mais aconchegante para todos os ambientes.

4. Muita luz não é sinônimo de um bom projeto luminotécnico. A luz deve ser na medida certa para cada tipo de uso.
É muito comum que hospitais tenham uma aparência monótona, asséptica e sem estímulos, com ambientes iguais e impessoais. Para solucionar isso, a ambientação interior é importantíssima, bem como, a iluminação, que deve ser trabalhada de forma individual para cada ambiente.

“Criar áreas com luzes sutilmente distintas agrega riqueza visual à experiência de estarmos em um espaço fechado. É fácil pôr isso em prática por meio de mudanças pequenas e propositais nas temperaturas das cores e da intensidade, direção e foco da luz que incide em diferentes partes de um ambiente, transformando em uma experiência que de outro modo seria muito monótona.” (Malcolm Innes)

Significa que cada ambiente é individual. Talvez para um determinado ambiente o ideal seja utilizar uma luz uniforme, talvez para outros haja necessidade de uma luz direta, outros de uma luz difusa, alguns luz fria, outros neutra, outros quente. Essa mudança é importantíssima para quebrar o aspecto monótono destes ambientes, e conforme trabalhamos estas luzes, vamos ter um resultado que além de funcionar e ficar bonito, humanizará estes locais.

5. Ao redor das salas cirúrgicas, os ambientes devem ter uma redução gradativa de luz para uma melhor adaptação do olho;
6. Se possível, principalmente na área dos leitos, utilizar luzes indiretas e que tenha regulagem de intensidade;
7. Utilizar materiais de qualidade para uma maior durabilidade, economia e menor manutenção.

Falamos sobre alguns pontos que achamos importantes, e vamos deixar aqui a dica de 2 livros:

Esperamos que tenha gostado, não esqueça de conferir abaixo as imagens referentes ao assunto! Até mais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin