PRINCÍPIOS DE UM BOM PROJETO LUMINOTÉCNICO

Saiba alguns dos principais princípios do projeto de iluminação que você deve estar atento.

11 de JULHO de 2020

Dinâmica e variação através da luz e sombra. Essa frase resume bem a principal qualidade que um projeto luminotécnico tem que ter. Vamos entender:

Nós nos conectamos e nos reconhecemos com a luz natural, isto é, existe uma sensação familiar com o mundo externo que nos traz boas sensações. Dito isto, podemos afirmar que se o projeto luminotécnico puder trazer essa familiaridade através de técnicas e elementos, ele será um projeto luminotécnico de qualidade.

Milhares de anos onde nossa espécie se adaptou à iluminação natural. Um projeto de iluminação deve se basear na natureza: não deve ser estático e monótono. Mudanças na direção, cor, intensidade e possibilidades devem ser proporcionadas aos usuários. Afinal, é isso que a luz natural nos proporciona: luz direta, sombra, luz refletida e mudanças constantes.

A monotonia que deve ser evitada é o uso do mesmo produto, temperatura de cor e intensidade, utilizados sem critério, apenas com o intuito de iluminar o ambiente. Veja:

Monotonia; Frieza; Estéril; Apático;

Imagine passar um dia inteiro num espaço como este, sem janelas por exemplo. Como você se sentiria?

A monotonia pode ocorrer por falta de um profissional adequado para desenvolver o projeto, a falta de recursos financeiros e até mesmo a falta de conhecimento do profissional. Mas é importante dizer que mesmo com poucos recursos é possível modificar o projeto de maneira que ele se torne mais agradável.

  1.       DIREÇÃO

Comece estabelecendo uma hierarquia visual: “A luz do sol não se importa com aquilo que ilumina, mas nós, podemos ser mais minuciosos. ”

Escolha o que deve ser importante em seu projeto e o que deve ficar como pano de fundo.

Utilize luz e sombra para que não exista a monotonia apenas da iluminação geral. A sombra e o contraste também agregam valor ao projeto, assim como na natureza.

2.     COR

Escolha a temperatura de cor ideal para seu ambiente de acordo com a função.

3.     SUPERFÍCIES E TEXTURAS

Aplique luz sobre texturas, você vai ver o poder que a iluminação tem de dar destaque a elas. Mas tome cuidado com superfícies que refletem e também cores e texturas muito escuras que acabam refletindo ou absorvendo demais a luz. É preciso ter equilíbrio.
E mais uma vez podemos usar o exemplo da natureza: as cores e texturas nas nuvens, plantas, solo, neve, água, rochas.

4.     INTENSIDADE

Utilize a dimerização como aliada para proporcionar diferentes sensações ao mesmo ambiente.

5.     POSSIBILIDADES

Utilize uma variedade de produtos de maneira que exista a possibilidade ao usuário de controlar o ambiente conforme prefere. Utilizem a iluminação fixa, mas não se esqueçam de também agregar ao projeto as peças soltas, que possuem uma versatilidade maior.

“A falta de controle é uma característica frequentemente citada em locais de trabalho considerados ruins, e o simples fato de os empregados terem suas próprias luminárias de mesa pode aumentar muito seu nível de satisfação. ”

Não deixe de lado a luz mais importante: a natural. E mesmo ela, deve ser controlada quando quisermos, com cortinas e persianas.

Seja criativo, estude e tenha boas parcerias para lhe ajudar a especificar o projeto luminotécnico. Com estas dicas temos certeza que seu projeto de iluminação ficará ótimo!

Aqui no nosso site, você vai encontrar vários projetos iluminados por nós e com a especificação dos produtos. Assim, você consegue já ver os produtos utilizados e aplicados! Não deixe de conferir.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin